Fluminense campeão da Copa do Brasil em 2007, finalista da Libertadores 2008 e Sulamericana 2009, Campeão Brasileiro em 2010 e 2012. O que todos esses campeonatos têm em comum? Todos foram conquistados com a UNIMED como patrocinadora Master.

Ídolos como Fred, Deco, Romário, Edmundo, Felipe, Conca tiveram passagens pelo clube na época em que a parceria vigorava com toda força. O contrato estipulava que a patrocinadora deveria investir de 15 a 20 milhões por ano, valor que era ultrapassado constantemente como na temporada de 2012 em que o valor chegou a 70 milhões de reais.

No entanto, em 2014 o sonho se tornou pesadelo. Na Era Horcades de 2004 a 2010 os interesses eram alinhados e fez o Fluminense alcançar patamares que não tinha conseguido em sua história, como as competições conquistadas e as finais alcançadas. A partir desse momento, com a troca da presidência e com o início da Era Siemsen, apesar dos títulos brasileiros conquistados era claro a insatisfação de Celso Barros, presidente da UNIMED, a ponto de anunciar tal problema publicamente. Até que chegou o dia em que o patrocínio acabou.

Hoje, já em 2018 e no segundo ano da Era Abad, que fez parte da gestão anterior, o Fluminense ainda não conseguiu se recuperar economicamente. Sobrevivendo com revelações da base e tentando se manter firme na Série A, o que tem sido um desafio, já que em 2015 foi rebaixado, mas por motivos de escalação irregular se manteve na elite.

A verdade que a gestão atual herdou um fardo absurdo em questão financeira e essa austeridade é necessária há tempos. Porém, a forma com que tem sido conduzida e a falta de experiência em gestão tanto do presidente quanto do conselho tornam a crise ainda mais severa e só continuam a apequenar o gigante Fluminense.

Foram dois anos sem patrocínio master, a perda dos principais medalhões do time, que serviriam como moeda de troca, a dispensa de jogadores ainda com valor de mercado, o desrespeito à ídolos do clube, salários altos para diretores esportivos e executivos que não direcionam nada, falta de prioridade no esporte que engrandeceu o clube.

A vida sem um plano de saúde é ruim, mas a vida sem isso e com a administração sendo gerida por grupos políticos, é pior ainda.