Os jogadores brasileiros são conhecidos por estarem distribuídos em toda parte do mundo. E como estamos em ano de Copa, o Trave de Chinelo resolveu lançar a série “Brasil pelo Mundo”, que periodicamente trará várias seleções brasileiras, se fossem formadas por brasileiros que jogam em um determinado país.

Faremos o nosso time titular e abaixo colocaremos os outros jogadores que jogam no país, com seus respectivos times e posições. Montem a de vocês e escalem nos comentários.

Vamos começar pela Espanha. Terra das touradas onde muitos “tupiniquins” disputam La Liga, a popular Liga das Estrelas.

Goleiro:

Revelado pelo Atlético Paranaense, passou pela Fiorentina e Juventus, ambas da Itália. Na Seleção Brasileira foi medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012 e estava no grupo da Copa América de 2015.

Único jogador brasileiro da posição atuando no país.

Lateral-Direito:

Vindo das categorias de base do Botafogo e Flamengo, foi para o Almería da Espanha antes de ter feito sua estreia nos profissionais. Foi campeão da Libertadores pelo Atlético Mineiro e jogou o Mundial e o Pan-Americano pela Seleção Brasileira Sub-17 e a Copa do Mediterrâneo pela Sub-19.

Único jogador brasileiro da posição atuando no país.

Lateral-Esquerdo:

Destaque do Fluminense desde as categorias de base, foi direto para o Real Madrid, com a difícil missão de substituir o também brasileiro Roberto Carlos, na qual teve êxito. Um dos melhores jogadores do mundo na posição é figura certa na Copa do Mundo de 2018 pela Seleção, onde já esteve desde as categorias de base e principal pelos Jogos Olímpicos de 2008, Copa das Confederações de 2013 e Copa do Mundo de 2014.

Outros: Filipe Luís (Atlético de Madrid) e Guilherme Arana (Sevilla).

Zagueiros:

Cria do Vitória-BA, deixou o Brasil sem muita mídia para jogar no Villarreal da Espanha, onde se destacou e foi para o Arsenal da Inglaterra. O zagueiro vestiu a amarelinha somente em dois amistosos contra França e Chile em 2015.

Vindo das categorias de base do Internacional, foi negociado com um grupo português de investimentos e repassado ao Benfica, onde ficou até rodar por Besiktas da Turquia e Espanyol. Figura frequente na Seleção desde a o Sub-15, passando por sub-17, 18 e 20., porém nunca jogou na principal.

Outros: Rodrigo Ely (Alavés) e Naldo (Espanyol).

Meias:

Outro com passaporte carimbado para Rússia, o volante cresceu no São Paulo, onde se destacou até ser negociado com o Real Madrid. Mas diferente de Marcelo, ele jogou pelo time B dos merengues até ser emprestado ao Porto e se firmar como jogador importante e pronto para ser titular no Real. Com um Mundial -Sub 17, Sul-Americano e Mundial Sub-20, Superclássico das Américas e Copa América 2015 e 2016 pela Seleção, o volante chega em alta para a Copa do Mundo 2018.

Um início inusitado pelo Juventus-SP, logo aos 17 anos foi para o FC Vilnius da Lituânia e ainda passou pela Polônia antes de regressar ao Brasil e ganhar destaque no Bragantino, chamando a atenção do Corinthians. Peça fundamental no time, saiu em alta para o Tottenham da Inglaterra, onde não teve o mesmo sucesso e foi parar no Guangzhou Evergrande da China. Graças as suas recentes atuações pela seleção, onde já havia estado no mesmo Superclássico que Casemiro, Copa das Confederações de 2013, Copa do Mundo de 2014 foi contratado pelo Barcelona e chega com status de volante com mais gols na história da seleção canarinho.

Já vendido a Inter de Milão desde seus 17 anos pelo Vasco, Coutinho sempre foi uma joia a ser lapidada. E foi emprestado ao Espanyol, que o processo de lapidação foi iniciado. Voltou a Inter e foi negociado com o Liverpool da Inglaterra onde ficou por 6 temporadas até se tornar a segunda transferência mais cara da história indo para o time catalão. Acostumado com a camisa amarela desde o sub-14, disputou competições importantes com o sub-15, 17, 20 até chegar a principal disputando amistosos e a Copa América 2016.

Mais um “Menino da Vila” formado no Santos, o meia se destacou fazendo dupla com Neymar, até ser negociado com o São Paulo. Camisa 11 no Mundial Sub-20 com a seleção, ficou na lista de suplentes para a Copa do Mundo de 2010 com vasto apelo popular, só sendo convocado para a Copa América de 2011, Olímpiadas de 2012 e Copa América de 2016, após corte de Kaká.

Outros: Douglas Luiz (Girona), Gabriel (Leganés), Guilherme (Deportivo La Coruña) e Andreas Pereira (Valência).

Atacantes:

Começou a carreira na Portuguesa Santista jogando ao lado de Neymar, mas foi na categoria de base do Rayo Vallecano que ele estreou pelos profissionais. Teve passagens por Atlético de Madrid, Bétis e Villarreal antes de chegar ao Espanyol. Nunca foi convocado para nenhuma seleção e seria através do Trave de Chinelo a sua primeira chance.

Formado pelo Grêmio Barueri, jogou pelo São Paulo, Grêmio, Santos, Real Madrid, Zaragoza, Las Palmas, até chegar ao seu clube atual onde vive um dos melhores momentos da carreira. Campeão Sul-Americano e Mundial com a Seleção Sub-20, o atacante vem sendo observado de longe pelo técnico Tite e pode pintar como surpresa nos últimos amistosos antes da Copa.

Outro: Charles (Eibar).