Os mais à esquerda sempre apontam o dedo e afirmam: “Ah, é a política do pão e circo”.
Consignam como fato a possível utilização pelas elites político-partidárias atuais, do que foi utilizado na Roma Antiga, ainda da época dos “Césares” – que distraía o povo franqueando o acesso ao Coliseu e similares menores espalhados por seus domínios, os chamados “Circos” dos Gladiadores – onde homens e bestas e bestas homens igualmente escravizados, lutavam pela própria vida, tirando a vida dos outros.

Para completar a distração, patrocinada por imperadores e políticos da época, distribuíam pão e água – muitas vezes a única comida vista pela massa naqueles dias.

A Copa do Mundo chega e, pronto, acabou a crise, deixaram de existir os problemas nacionais, desemprego, alta da gasolina/combustíveis, impostos abusivos e em cascata, políticos corruptos, eleitos devido as massas acharem comum se corromper “vendendo” seus votos! A distração chegou, o problema acabou!

Bom na verdade, eles seguem existindo, mas nestes períodos, o que vende jornal, o que repercute noticia é a Copa do Mundo. É tanta desgraça, por tanto tempo que o povo, independente de “classe social”, já se acostumou, fica achando ser normal sofrer até morrer nas filas de hospital ou precisar se amontoar como gado indo ao matadouro em pequenos e desconfortáveis transportes públicos. Assim, a novidade, o que tem capacidade de reunir alguma surpresa e aumentar a atenção nas notícias, é algo que seja mais leve, algo que traga alguma diversão, quase gratuita! Ah, o futebol, é o “Circo” do brasileiro e de boa parte do mundo!

Culpa da mídia? Eles apenas cumprem seu papel de noticiar o que o povo quer saber! Ou não? Podiam sacrificar suas vendas e manter acessa na memória das massas os problemas que tanto os aflige, que muito os prejudica!

Certo que – a galera mais radical, os revolucionários, nos defenderão atacando a mídia e cobrando uma postura mais responsável – talvez eu, você, nós, possamos apoia-los, engrossando o coro de protesto, ao menos até o primeiro jogo do Brasil, aí, que nos perdoem, mas a Pátria de Chuteiras – comemorará cada gol do Brasil, entristecerá com cada gol sofrido e temerá o fantasma do 7 a 1 – mas nestes momentos nem lembrará da dor de ser Brasileiro e de ter os gestores públicos mais caros e desonestos do mundo!

E viva o país do futebol, pois as eleições chegam logo após ao “circo” da Copa do Mundo!