Chegou o tão esperado momento para os amantes da bola do mundo todo: Copa do Mundo.

A frieza russa foi deixada de lado para a festa de abertura que ocorreu no maior estádio do país, o qual não consigo escrever o nome devido a falta de teclas para tal. Iker Casillas e a supermodelo russa Natalia Vodianova trouxeram o objeto de desejo das 32 seleções em uma caixa, a taça. Nosso fenômeno Ronaldo também esteve presente na festa, e por mais que parecesse, ele não trouxe a bola do jogo embaixo do paletó. A parte musical ficou por conta da soprano russa Aida Garifullina e pelo “por que ele?” cantor britânico Robbie Williams, que afirmou ter realizado um sonho em poder cantar na abertura de uma Copa. Só nos resta saber se no sonho dele ele também dava um dedo do meio pra câmera ou foi só um “Chupa Vitas!”.

Pra quem achou que para os torcedores russos esse seria o único espetáculo do dia, já que a seleção da casa vinha a 9 meses sem vencer, achou errado, otário!

Igualando a maior goleada em estreia aplicada pelo Brasil sobre o México em 1954, a Rússia castigou os sauditas com o elástico placar de 5×0, que já declararam precisar de ajuda psicológica para não estar diante de uma nova safra de homens bombas.

Não demorou muito para a anfitriã abrir o placar com Gazinskiy. Mas as coisas começaram a melhorar depois que o craque do time Dzagoev se machucou. Sei que parece estranho, mas foi devido a essa lesão que o até então questionado treinador Stanislav Cherchesov pode por o seu dedo no jogo. Porém, ao contrário de Robbie Williams o dele foi muito bem visto. Colocou o ex-Real Madrid Cheryshev que anotou dois golaços e foi mais um a ir na contramão do cantor ao dizer que não imaginou isso nem no melhor dos seus sonhos.

Entre um gol e outro do meia, outro “dedo” do treinador também deixou o dele. Dzyuba, que havia entrado no lugar da esperança russa, Smolov fez o gol que fez Putin consolar o sheik Infantino, que a essa altura já estava mais Putin que ele.

O fim da festa ficou por conta do já cobiçado pelo Barcelona, Golovin. Que o próprio nome já é quase um presságio.
5 gols de saldo, 3 pontos, open bar de vodka. Assim foi a estreia da Copa da Rússia em todos os sentidos, que no duelo dos dois piores ranqueados da competição, mostrou que o fator casa pode surpreender mais que o dedo do Robbie Williams.