– Acorda, Flamengo! São 11h, tá todo mundo te esperando!

– Já vou, só mais cinco minutinhos.

– Acorda! Não vai fazer igual ao outro domingo, que tinha compromisso às 11h e só foi chegar no campo lá pras 11:25h.

– Não, hoje é mais tranquilo. O jogo é aqui pertinho e o adversário falou que vai me esperar até os últimos minutos.

– Você que sabe. Depois é você que vai ter que aturar todo mundo te cobrando no aeroporto. Nunca vi isso. Começa fazendo tudo certinho, aí não pode ter um mês de folga que acha que o trabalho já tá feito. Acordando tarde no domingo. Indo dormir cedo na quarta. Assim não dá. Desse jeito chega no fim do ano, e nem banho toma mais. E eu que tenho que aturar o cheirinho.

– Que mané cheirinho! Isso aqui é Flamengo! Se deixar chegar, já sabe…

– Já sabe o que? Já foi tempo que isso era verdade. Ano passado deixaram você chegar e no final bateu a mesma preguiça de hoje. E olha que não foi só uma vez não, hein.

– Mas esse ano vai ser diferente. Eu tô me sentindo mais forte. Além do mais, tem tempo ainda pra chegar no São Paulo e se a CBF não atrapalhar, ainda vou dar pro meu presidente o que ele mais gosta com a Copa do Brasil!

– O título?

– Não! Dinheiro.

– Ixi! Ultimamente você só pensa nisso. O que adianta estar cheio de dinheiro se vive deixando faltar coisa pra gente?

– Para de ser ingrata! E aquele Carioca do ano passado?

– E você acha muito?

– Pelo menos é alguma coisa. Tem vizinho meu que nem isso consegue.

– Eu não quero saber de vizinho nenhum. Quero saber do nosso. Me apareça no fim do ano sem nenhum título expressivo pra você ver. Eu posso te amar pra sempre, mas sei muito bem te fazer sofrer também.

– Pode deixar! Vou tentar o máximo…. pelo menos do meu jeito.