“Respeito”, uma palavra que ficou marcada para os vascaínos após mais uma entrevista polêmica do Eurico assim que voltou pro Vasco depois de uma vitória sobre o Flamengo. Quando perguntado qual era a sensação de ganhar aquele campeonato a parte, como o próprio mandatário considerava esse jogo, Eurico disse em poucas palavras: “O Respeito Voltou, Ponto.”

Querido por alguns e odiado por muitos, uma coisa eu vi de comum essa semana: todos tinham um grande respeito por ele. Sejam vascaínos que o queriam bem longe do clube ou até mesmo de rivais que o odiavam, e com razão.

Isso pra mim ficou mais claro depois do que vi em São Januário na última quinta-feira.

Comissão técnica do Vasco durante o minuto de silêncio em São Januário

São Januário que já foi palco de inúmeras brigas e confusões por conta de política envolvendo o homem do charuto, que era só um gritar “Eurico, Eurico” ou “A culpa é do Eurico” que já começava o tumulto, infelizmente uma coisa normal pra quem frequenta jogos.

Nessa última quinta-feira eu vi 1 minuto de silêncio sendo RESPEITADO (coisa difícil de acontecer no Brasil) após uma linda e merecida queima de fogos, como ele fazia no passado sempre na entrada do time em campo. E depois do apito do árbitro, logo após aquele minuto, uma salva de palmas com o nome “Eurico” sendo gritado por, se não todo, a maioria do estádio. Mas diferente do passado, não teve confusão dessa vez, porque no fundo de cada um de nós, mesmo discordando de muita coisa que o velho fez, o RESPEITO foi o que ficou.

Obrigado, Eurico!
Casaca!