Em uma noite mágica – definição dada por jogadores e torcedores ao jogo contra um dos clubes mais temidos do continente – o Athletico obteve uma atuação de gala contra o Boca Juniors, atual vice-campeão da competição. O resultado foi construído com muita solidez, a garra mostrada pelos jogadores em campo, a determinação do primeiro minuto ao último, foi de encher os olhos de qualquer athleticano.

Não há receita ideal para vencer o Boca, para goleá-lo de 3×0 menos ainda, mas alguns fatores foram determinantes para obter esse feito. O jogo era difícil e todos sabiam disso. Houve chance do Boca abrir o placar no começo do jogo, mas o Athletico não se assustou com isso, pelo contrário, foi com tudo em busca de seu primeiro gol. A pressão da torcida com estádio lotado e o esquema tático montado por Tiago Nunes com Rony jogando nas costas do lateral Buffarini, abriu as portas para a vitória rubro-negra.

A origem do primeiro gol athleticano saiu quando o lateral direito argentino perdeu a bola para Rony, o qual com muita velocidade, chegou ao fundo e cruzou para área e após Lucho González errar o chute, sobrou para o artilheiro Marco Ruben finalizar para as redes.

O Furacão não se contentou com apenas 1×0 e continuou indo para cima de um Boca que também buscava o gol, deixando o jogo franco, aberto e emocinante.

A equipe de Tiago Nunes mostrou intensidade e foi cirúrgico no segundo tempo, fazendo o segundo gol, fruto de um contra-ataque fulminante finalizado por Marco Ruben. E o mesmo Marco Ruben fez o terceiro gol athleticano, fechando o placar de uma noite memorável do rubro-negro paranaense.