Quinta-feira, vazou um áudio. Nesse áudio, o senhor Adilson Durante Filho, que é conselheiro do Santos Futebol Clube, fez o seguinte comentário (para não usar palavras mais duras logo no começo da sua leitura):
“Sempre que tiver um pardo… O pardo o que que é? Não é aquele negão, mas também não é o branquinho. É o moreninho da cor dele. Esses caras, você tem que desconfiar de todos, todos que tu conhecer. Essa cor é uma mistura de uma raça que não tem caráter.”

Não ficando satisfeito, ele decide ser ainda mais detalhista na sua teoria. E continua:

“É verdade, isso é estudo. Todo pardo, todo mulato, tu tem que tomar cuidado. Não mulato tipo o P…. O P…. é tipo para índio, tipo chileno, essas _*. To dizendo um mulato brasileiro. Os pardos brasileiros. São todos mau-caráter. Não tem um que não seja”.

Notas oficiais de Santos e prefeito, respectivamente.

Eu levei alguns segundos para processar toda essa informação. É muita falta de conhecimento em tantas áreas da ciência ao mesmo tempo, que leva tempo pra gente entender. Aí você soma com todo o racismo obtuso que há dentro da mente desse indivíduo, e tudo fica ainda pior.

O senhor Adilson está no lugar errado. O Santos é grande, e grande demais para ter em seu interior alguém desse naipe tão pequeno. Santos, de Neymar, de André Balada, Clodoaldo, Pelé, Robinho, Coutinho… uma lista infindável de gente que só pela cor da pele já perderia pontos de julgamento moral com o tal senhor Adilson. A torcida do Santos, sem a menor surpresa para mim, pede sua saída. E eu concordo, pois além das desculpas, veio a parte que seria a cereja do bolo em suas declarações. De acordo com o senhor Adilson, ele não teve intenção de atingir quem quer que fosse, não seria ele preconceituoso em nenhuma esfera do assunto, seja cor, raça ou credo, e que foram palavras infelizes levadas pela emoção.

Que emoção? Racismo. Puro e simples. E a coragem para externar esse veneno para o mundo? Não tem. Por isso fala, de acordo com ele, entre amigos. Racismo.

Hashtag no Twitter contra o ato do conselheiro

Agradeço a torcida ‘Santos FC Antifascista’ por colocar o verdadeiro senhor Adilson para fora das sombras. Gente assim tem que aparecer, para que todo cidadão com mais evolução social, moral, até espiritual se você acreditar, possa ter o exemplo de como não ser, como não fazer.

O senhor Adilson fala de palavras genericamente proferidas. Não há absolutamente nada de genérico em suas palavras. Elas são muito afiadas, precisas em desenhar o que ele pensa e como ele se sente. Mas ele fala de arrependimento. Que bom. Como a maioria dos males, racismo tem cura. Muitas vezes, antes é preciso passar vergonha.