Em 2019, Rafinha, lateral do Flamengo, entrou para um seleto grupo de jogadores que conquistaram os principais títulos nos dois continentes mais tradicionais do futebol, a América do Sul e a Europa. Listamos outros dez atletas que atingiram o mesmo feito na carreira:

10 – Santiago Solari
O meia argentino foi campeão da Libertadores em 1996, logo no início da carreira, pelo River Plate. Também fez parte do elenco dos “Galácticos” do Real Madrid, que conquistou a Europa no início do século XXI. Hoje, Solari tenta a carreira de treinador, tendo inclusive feito sua primeira experiência no clube merengue.

9 – Danilo
O lateral direito da seleção de Tite foi campeão em 2011 da Libertadores, pelo Santos. De lá seguiu pra Europa, onde seria campeão europeu duas vezes nos anos de 2015-2016 e 2016-2017, pelo Real Madrid. Após passagens por outros clubes do velho continente, Danilo hoje está na Juventus, da Itália.

8 – Walter Samuel
Xerifão da zaga argentina na década dos anos 2000, Samuel foi campeão da Libertadores em 2000, pelo Boca Juniors. Porém, foi na Inter de Milão o ponto alto da carreira, conquistando os principais títulos pelo clube, incluindo a Champions League de 2010-2011. O zagueiro pendurou as chuteiras em 2016, no Basel, da Suíça e atualmente faz parte da comissão técnica da seleção argentina.

7 – Roque Júnior
Com brilhante passagem pelo Palmeiras, o zagueiro foi titular na campanha do título da Libertadores de 1999, treinado por Felipão. Com isso, o técnico o levou a Copa que traria o pentacampeonato para a seleção canarinho, em que Roque também foi titular. Já na Europa, teve grande carreira no Milan, da Itália, conquistando vários títulos, incluindo a edição da Champions League de 2002-2003. Hoje, trabalha como Diretor de Futebol da Ferroviária após passagens como treinador de equipes do interior paulista.

6 – Dida
Goleiro de grande envergadura, foi um dos principais pegadores de pênaltis entre o final do século XX e o início do século XXI. Após brilhar por clubes como Vitória, no início da carreira, e depois Cruzeiro e Corinthians, tendo faturado a Libertadores de 1997 pelo clube mineiro. Na sequência, rumou à Europa, onde brilharia no Milan, sendo fundamental nos títulos de duas edições de Champions League (2002-2003 e 2006-2007), ao lado de vários brasileiros. Dida também fez parte do grupo pentacampeão do mundo em 2002, na Ásia. Pendurou as luvas em 2015, no Internacional de Porto Alegre.

5 – Carlos Tévez
Carlitos, como é conhecido, conquistou a Libertadores em 2003, pelo Boca Juniors, ainda uma grande promessa do futebol argentino, sendo inclusive eleito, ao final daquele ano, melhor jogador da América do Sul. Já como realidade na Europa, teve boas passagens por clubes ingleses, tendo ganho a Champions League de 2007-2008, pelo Manchester United. Ainda em atividade, Tévez está desde 2018 no Boca Juniors, seu clube de origem.

4 – Juan Pablo Sorín
Um dos grandes ídolos da história recente do Cruzeiro, Sorín também é idolatrado pela torcida dos Millionarios, principalmente após a conquista da América em 1996. Antes disso, no mesmo ano, porém no primeiro semestre, esteve no grupo da Juventus, da Itália, que seria campeão europeu na temporada 1995-1996. Após a aposentadoria, Sorín seguiu para os meios de comunicação, como comentarista e apresentador.

3 – Neymar
O menino da Vila explodiria para o mundo ainda no Santos, após a conquista da Libertadores de 2011, quando já despertava a cobiça dos grandes clubes europeus pelo seu futebol. Pouco tempo depois chegaria ao Barcelona, onde levantaria a taça mais importante da Europa em 2014-2015, inclusive tendo tido grande atuação na final e fazendo o gol do título catalão. Neymar segue atuando pelos gramados do velho continente, vestindo a camisa do Paris Saint-Germain, da França.

2 – Cafu
Faltam caracteres para descrever o que o capitão do penta representou para a camisa amarelinha. Cafu tem feitos únicos ainda não superados, é o único atleta a disputar três finais de Copa do Mundo consecutivas, é o jogador com maior número de convocações pela seleção brasileira, dentre outros fatos significativos em sua carreira. Por curiosidade, é o único dessa lista com dois títulos da Libertadores da América, em 1992 e 1993, pelo São Paulo. Reconhecidamente um grande jogador, teve passagem marcante pelo Milan, levantando o troféu máximo da Europa na temporada 2006-2007. Após o término da carreira, Cafu dedicou sua vida ao projeto social idealizado por ele próprio, no bairro onde nasceu, Jardim Irene, a Fundação Cafu. No final de 2019, após a trágica perda do filho precocemente, foram encerradas as atividades na fundação por problemas financeiros.

1 – Ronaldinho Gaúcho
Uma das maiores estrelas do futebol nos anos 2000, Ronaldinho já chamava a atenção desde garoto no Grêmio, porém, ao chegar ao velho continente, o céu foi o limite, escreveu seu nome no Panteão do Futebol no Barcelona. Pelo clube catalão, foi campeão da Europa na temporada 2005-2006, com sua magia nos pés, faria brilhar os olhos do mundo, sendo inclusive, aplaudido de pé em pleno Santiago Bernabéu, casa do maior rival, no mesmo ano. Vale como curiosidade que Ronaldinho Gaúcho é o único atleta desta lista que conquistou o título sul-americano após o título europeu. Assim, já no final da carreira, chegaria ao Atlético-MG, onde se sagraria campeão da Libertadores da América em 2013. Após o fim da carreira, tem desfilado seus malabarismos em jogos-exibição ao redor do mundo. Em 2020, Ronaldinho foi preso, ao lado de seu irmão e empresário Assis, no Paraguai por posse de passaporte falso.